Vamos falar sobre ateísmo?

Se você é ateu, provavelmente já foi interpelado por alguma das perguntas abaixo, certo?

Listei as respostas que costumo oferecer, vamos falar de ateísmo?

Por que você é ateu?

Sou ateu em relação a todas as divindades pelos mesmos motivos que cristãos também são ateus em relação às divindades egípcias, gregas, persas, indianas, germânicas, nórdicas, indígenas etc. Não somos tão diferentes assim. Não estou pedindo para que todos sejam ateus, mas gostaria que todos um dia parassem e refletissem “o mundo teve e tem muitas religiões, por que justamente aquela que meus vizinhos, meu pai e minha mãe seguem e me ensinaram é a que está certa? Por que eu sou tão sortudo?”. Embora ateísmo não seja religião, seria bom até que quem fosse ateu por influência de pais ateus também fizesse essa reflexão.

 

Os ateus não seriam tão crentes quanto os crentes quando dizem que Deus não existe? Como eles sabem? Eles não estariam crendo que Deus não existe?

Há os ateus convictos, que realmente creem na não existência de qualquer divindade, de qualquer coisa sobrenatural. Mas eu sou um ateu cético, eu apenas não creio na existência de Deus, mas não descarto completamente a possibilidade de que algo que possa ser descrito como Deus exista. Eu simplesmente não sei. Acreditar na não existência é diferente de simplesmente não acreditar na existência. Acreditar na não existência é bem mais forte do que não acreditar na existência.

 

Então você se define como agnóstico?

Sim, eu sou agnóstico e ateu ao mesmo tempo. Não são termos excludentes. Sou ateu porque não acredito, sou agnóstico porque não sei. É uma visão equivocada sobre o agnosticismo coloca-lo como um meio termo entre o ateísmo e o teísmo. Um agnóstico pode ser ateísta, como é o meu caso, mas também pode ser teísta. É possível não saber sobre a existência de Deus, mas acreditar por fé. O agnosticismo comporta diferentes definições. Desde aquela que diz que “não sabemos sobre a existência de Deus com o conhecimento que nós temos atualmente” até aquela que diz que “nunca poderemos saber sobre a existência de Deus”.

 

Pergunta que um ateu convicto faria: os agnósticos não estariam sendo crentes ao colocar a crença na existência de Deus em patamar superior às outras crenças? Agnósticos não têm dúvidas de que Chupacabra não existe, mas tem dúvidas sobre Deus. Sabem que Posseidon, o deus grego dos mares, não existe, mas tem dúvidas sobre o Deus judaico-cristão-islâmico só porque vivem em um mundo onde muitos acreditam nele.

Eu não considero meio a meio a probabilidade do Deus judaico-cristão-islâmico existir ou não. Penso que um cara invisível que existiu antes de tudo, criou o universo e o mundo em que vivemos, criou a vida, ouve preces e interfere nos acontecimentos muito provavelmente não existe. Esse Deus raciocina como um humano, acho difícil que algo assim possa ter existido antes de existir um cérebro. Se este Deus existe, ele é razoavelmente incompetente para ser aceito como um Deus universal, pois a soma de judeus, cristãos e islâmicos não passa de 56% da população mundial. Os povos do continente americano ficaram um tempão sem conhece-lo. Isto só ocorreu com a chegada de Cristóvão Colombo, Pedro Álvares Cabral. Além disso, se este Deus existe, ele é um pouco sacana. Basta ver o tanto de tragédias que ocorreram e ocorrem no mundo. Quando um avião cai, sempre tem aquele passageiro que não pegou o voo porque se atrasou, e atribui o atraso a Deus. Mas e os outros passageiros? Se Deus é onipotente, por que ele prefere fazer um passageiro chegar atrasado ao invés de evitar a queda do avião? O deus que considero que existe maior probabilidade de existir (não necessariamente 50%) seria o deus dos deístas, não o dos judeus, cristãos e islâmicos.

 

O que são teístas? O que são deístas?

Teístas são aqueles que acreditam em deus, mas não nas religiões. O deus dos teístas acaba sendo parecido com o Deus judaico-cristão-islâmico. Os deístas acreditam que pode ter existido uma força sobrenatural (que chamamos de deus) que criou as leis do universo, e depois foi descansar.

 

As religiões não podem fazer bem para as pessoas?

Podem sim. Mas uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Não é porque uma religião faz bem para as pessoas que seus dogmas são necessariamente verdadeiros, que suas divindades necessariamente existem.

 

Religião não incentiva fazer o bem?

Religião incentiva fazer o bem e fazer o mal. Religião gerou inquisição, perseguição, guerras, terrorismo. Mas religião também ajudou a desenvolver civilizações, estimulou a arte e a arquitetura, ajudou a criar universidades. Sempre houve e continua havendo muitos religiosos que dedicam suas vidas aos necessitados. Além disso, alguns católicos no Brasil participaram da oposição ao regime militar, defenderam perseguidos, apoiaram movimentos sociais pela reforma agrária. É preciso lembrar, porém, que ateus como Betinho, Angelina Jolie, Eddie Vedder também fizeram pelos pobres. Religiosos podem fazer o bem, religiosos podem fazer o mal, ateus podem fazer o bem, ateus podem fazer o mal. Mas a discussão mais importante não é esta. Voltando ao argumento da resposta anterior, mesmo se religiosos só fizessem o bem e ateus só fizessem o mal, não necessariamente os dogmas das religiões seriam verdadeiros e as divindades existiriam.

 

O que você pensa sobre vida após à morte?

Uma pessoa que leva muitas pancadas na cabeça fica lelé da cuca. Dessa forma, fica difícil pensar em uma consciência humana independente do cérebro.

 

Não é tenebroso pensar que de nós depois da morte só restarão as memórias? Não seria melhor se houvesse um Paraíso Eterno?

Não existirá um Paraíso Eterno só porque desejamos que exista. Além disso, não sei se é desejável um Paraíso Eterno. Tudo que dura muito cansa, mesmo as melhores coisas da vida. Lembro como eram alegres os churrascos com amigos no tempo da faculdade. Mas se começava a uma da tarde, lá pelas oito da noite já dava vontade de ir embora. Já pensou como seria monótona a eternidade? Pode ser um conforto pensar que poderemos um dia reencontrar pessoas queridas que partiram. Mas se pudermos rever estas pessoas, e ter a possibilidade de conviver com elas no Paraíso para a eternidade, não vai começar a enjoar a partir de determinado momento? Vamos imaginar a situação de um jovem casal, em que o homem é assassinado. A mulher fica muito triste, sente muito a falta do seu amado, mas anos depois casa-se novamente. Depois de muitos anos, quando eles falecerem também, com qual homem esta mulher ficará no Paraíso Eterno? Vai dividir? Será um caso de poliandria?

 

Se um ateu fica muito doente, a quem ele recorre?

Ao médico.

 

Não conseguimos enxergar a eletricidade, mas mesmo assim sabemos que existe. Não conseguimos enxergar Deus. Mas por que não saber que existe Deus assim como sabemos que existe eletricidade?

Eletricidade acende luz, faz aparelhos funcionar (inclusive o que eu estou utilizando para escrever este texto), dá choque. O dia em que eu levar um choque de Deus, eu mudo de opinião.

 

Ateísmo é de esquerda?

Não necessariamente. Nem todos os ateus são esquerdistas, nem todos os esquerdistas são ateus. Durante muito tempo, o ateísmo foi relacionado com o comunismo. Mas na década de 2000, era muito comum ver em redes sociais e fóruns online de discussão alguns ateus bem barulhentos que politicamente se alinhavam com a direita liberal. Alguns famosos escritores de direita muito presentes em colunas de jornal são ateus, embora estes aí venham escondendo seu ateísmo recentemente. Alguns movimentos sociais no Brasil tiveram influência da Igreja Católica. A Pastoral da Terra foi atuante. Ainda assim, é possível falar que existe uma leve correlação positiva entre ateísmo e esquerda. O termo esquerda/direita política surgiu na Revolução Francesa, e o secularismo era bandeira de quem sentava no lado esquerdo da Assembleia. Ser de direita é defender hierarquia, que combina muito bem com religião. Os casos mais notórios de uso de ateufobia em campanhas eleitorais no Brasil foram feitos por políticos à direita no espectro político: Jânio Quadros em 1985 e José Serra em 2010.

 

Nos países comunistas os cidadãos eram obrigados a serem ateus?

Normalmente não. Em Cuba, atualmente, é possível praticar religião. Há católicos, há seguidores de religiões africanas. Desde 1992, Cuba se define como um Estado laico, e não mais como um Estado ateu. O pai da atual chanceler da Alemanha Angela Merkel era um pastor alemão. Ele tinha o pastorado em uma igreja luterana na antiga República Democrática Alemã.

 

Os ateus odeiam os religiosos?

Os maiores casos atuais de intolerância contra religiões são praticados não por ateus, mas por pessoas de religiões diferentes. Onde mais existe cristofobia atualmente é nos países onde a população islâmica é predominante. Quem costuma atacar espaços de prática de religiões africanas no Brasil são evangélicos pentecostais.

 

Ateus gostam de mostrar com orgulho o fato de que países desenvolvidos têm maior percentual de ateus na população. Mas o que dizer dos Estados Unidos, que continuam um país bastante religioso?

O que puxa o número de pessoas muito religiosas para cima nos Estados Unidos é o Sul, que é a região com mais características de Terceiro Mundo se comparada não só com o restante dos Estados Unidos, mas com todo o Primeiro Mundo. É onde tem mais homicídios por 100 mil habitantes, menor expectativa de vida, qualidade mais baixa da educação, maior incidência de gravidez na adolescência. O Norte e o Oeste dos Estados Unidos são bem menos religiosos do que o Sul, ainda têm mais religiosos do que a Europa, mas têm muito mais não religiosos do que o Brasil. De qualquer maneira, seria errado falar que os países desenvolvidos são mais desenvolvidos porque têm menos religiosos. É muito mais plausível concordar com a afirmação de que esses países têm menos religiosos porque são mais desenvolvidos. A população é mais escolarizada, vive menos no desespero, e, por isso, precisa menos de um consolo, de alguma coisa para se apegar.

 

Quando se relaciona escolaridade com ausência de religião, está querendo se dizer que religiosos são burros, ignorantes?

Não. Religiosos não são necessariamente burros, ignorantes. Mas normalmente quem é ateu tem mais escolaridade porque quem mais tem propensão a sair do que é considerado padrão pela sociedade é quem estudou mais. E por enquanto, o que é considerado padrão pela sociedade ainda é ter alguma religião. Se vivêssemos em uma sociedade em que o padrão fosse ser ateu, talvez os religiosos fossem os mais escolarizados, só que ainda é necessário considerar outras variáveis. Estudar História Antiga facilita questionar a religião que aprendeu do pai e da mãe, pois saber que o mundo teve e tem muitas religiões provavelmente leva à pergunta “e por que a do meu pai e da minha mãe é a que está certa?”. Outro motivo da correlação entre escolaridade e ausência de religião é que quem é mais escolarizado normalmente é mais rico, e, portanto, vive menos no desespero e com menos necessidade de encontrar conforto em alguma coisa.

 

Os ateus serão um dia a maioria absoluta da população mundial?

Se as tendências atuais se mantiverem, isto não ocorrerá. A população sem religião está crescendo, mas nem todo este crescimento se direciona ao ateísmo. O que mais cresce é o número de pessoas sem religião, mas com crenças particulares. Provavelmente, o percentual de ateus na população mundial será maior em 2050 do que é atualmente, mas não será superior a 50%. A Geração Y, aquela dos nascidos depois de 1980, tem muito mais pessoas sem religião do que as gerações anteriores, mas não tem muito mais ateus do que as gerações anteriores. A fé individual é muito recorrente entre os Y.

 

O que você pensa sobre o Papai Noel?

É bom, por dois motivos. Primeiro porque ele, ao tomar parte do espaço de Jesus Cristo no Natal, torna a festa mais eclética. Papai Noel é São Nicolau com influências pagãs, ou seja, tem um pouco de tudo. Segundo porque prepara as crianças para duvidar. Primeiro, descobrem que o Papai Noel, que dá presentes no final do ano em caso de bom comportamento, não passa de ilusão. Já é um caminho para começar a pensar que o Papai do Céu, que deixa entrar no Céu em caso de bom comportamento, também pode não passar de ilusão. Mas muito cuidado, não espalhem. Vai que um fanático cristão resolva banir o Papai Noel por causa disso?

 

O que você pensa sobre o ateísmo militante?

É importante haver militância contra projetos de lei que ferem o Estado laico (há muitos desses projetos no Congresso brasileiro), contra situações em que estudantes são forçados a rezar e a assistir às aulas de religião em escola pública, contra o ensino de teorias pseudocientíficas como se fossem científicas, como é o caso do design inteligente. E também não sou contra quem não acredita em Deus divulgar de forma didática o porquê de pensar assim. É bom as pessoas conhecerem pontos de vista diferentes. O ateísmo militante só se transforma em chateísmo quando começa a falar que todos os religiosos são ignorantes, que não só o fanatismo religioso faz mal, como a simples religiosidade faz mal também. Não precisa ser antiteísta para ser ateísta.

 

E o Richard Dawkins?

Ele é um excelente zoólogo, teve uma longa carreira acadêmica. Seus melhores livros são aqueles em que ele divulga a Teoria da Evolução de forma didática para o público leigo, como o “Maior Espetáculo da Terra” e o “Relojoeiro Cego”. É preciso admitir, porém, que muitas pessoas só conhecem estes livros por causa do “Deus, um delírio”, que deu maior fama ao acadêmico. Quando fala de religião, Dawkins é polêmico, acerta em muitas coisas, até mesmo quando ele alfineta uma esquerda multiculturalista que pega pesado com o fundamentalismo cristão e pega leve com o fundamentalismo islâmico. Os “progressistas” que colocaram nas vítimas parte da culpa pelo atentado à Charlie Hebdo merecem ser esculachados mesmo. Porém, Dawkins foi infeliz em outras situações, por exemplo, nas besteiras que falou sobre o menino preso por causa do relógio e sobre o aborto de fetos com síndrome de Down. Outra atitude criticável de Dawkins ocorre quando ele, assim como os fundamentalistas evangélicos, relaciona a Teoria da Evolução com ateísmo. A única diferença é que Dawkins é a favor da Teoria da Evolução e do ateísmo, e os fundamentalistas são contra as duas coisas. Relacionar Teoria da Evolução com ateísmo dá munição aos apologistas do ensino de criacionismo em aula de ciências nas escolas.

 

Qual outro ateu tem opiniões interessantes?

O Pirula, professor de Paleontologia na USP, tem vídeos muito bons no Youtube. Óbvio que ele não teve a carreira acadêmica do tamanho da carreira do Dawkins, mas quanto as opiniões sobre religião e ateísmo, eu prefiro as do Pirula. São menos raivosas.

 

Onde estão os fósseis das espécies intermediárias entre os peixes e os sapos? Não é estranho pensar que somos resultado do acaso?

Não vou tirar dúvidas sobre a Teoria da Evolução, porque este texto é sobre ateísmo, e não gosto de relacionar Teoria da Evolução com ateísmo. Mas quem tiver interesse nestas questões pode ler os livros do Dawkins e ver os vídeos do Pirula no Youtube. Eles explicam estas e muitas outras questões para leigos sobre a Teoria da Evolução.

 

Quais são as violações mais graves ao Estado laico?

Como muitos já devem ter ouvido muitas vezes, Estado laico não é Estado ateu. É simplesmente um Estado imparcial sobre as religiões, que não favorecem umas religiões em detrimento das outras. Crucifixos e imagens de Nossa Senhora de Aparecida em repartições públicas não são violações do Estado laico se são colocadas por funcionários que trabalham no local, e não por ordem de autoridades superiores, e quando não é proibida a colocação de símbolos de outras religiões. Realização de missas regulares de funcionários de determinado órgão público não são violação do Estado laico se a presença não for obrigatória, e se não for proibido fazer sessão de macumba dos funcionários do órgão público. Enfeites de Natal em vias públicas patrocinados por prefeituras não são violação ao Estado laico, porque o Natal faz parte da cultura brasileira assim como o Carnaval e as Festas Juninas. Estes enfeites podem ser criticados por ser uso do dinheiro público em festas, mas não por violarem o Estado laico. O que são violações graves do Estado laico são a tentativa de introduzir criacionismo em aulas de ciências, a imposição de orações em escolas públicas e em órgãos públicos, a proibição do aborto com argumentos religiosos, a tentativa de não reconhecer casais homossexuais com crianças adotadas como família.

Comentários