Ascensão e Decadência da Nova República

Quando a ditadura chegou ao seu fim nos anos oitenta, um novo modelo politico foi forjado; era um presidencialismo de inspiração parlamentarista e acomodaria as forças politicas hegemônicas tanto novas quanto velhas; do passado teríamos setores sociais responsáveis pelo pacto da modernização conservadora, que deu alma a ditadura militar, isto é, a grande burguesia agrária e industrial, setores do exército, da classe média e da igreja católica; do presente vieram os setores sociais alijados a partir de 1964: os movimentos sociais, a esquerda das universidades e outros setores progressistas brasileiros.

download

Assim, um novo pacto, levando em conta o processo de oposição e aliança entre todas essas forças, foi criado. Ele foi chamado de Nova República e a sua marca maior foi a Constituição de 1988, a chamada Constituição Cidadã. Nossa Carta Magna foi o resultado da junção destas forças politicas e teve como característica principal o liberalismo e o conservadorismo à brasileira, que dá ênfase na conciliação de interesses. Não obstante, o chamado governo de coalizão é uma marca desse período politico, governos que possuem como aliados partidos muitas vezes contrários ou mesmo sem nenhum programa de governo. Assim, para governar, seria necessário conciliar diversos interesses, resultando na matização do programa original.

Mas a Nova República não surgiu a toa, sua função era conceder sobre vida às instituições politicas brasileiras e assegurar a estruturação de um novo modelo social, herdeiro dos vinte anos de ditadura, sem que fosse necessário mudanças bruscas de caráter revolucionário.

Esse modelo teve o seu auge nos oito anos da Era Lula, quando o pacto politico instituído com as elites e parte dos movimentos sociais propiciou um crescimento econômico acelerado, aliado a politicas keynesianas de distribuição de renda, e uma estabilidade politica sem precedentes. Pessoalmente, acredito que a conciliação permanente de Lula, detentor de uma virtú sem precedentes, mostrou o máximo que a tradicional politica brasileira do equilíbrio de antagonismos poderia trazer.

Mas todo sistema carrega em si o germe da sua destruição, que cresce, cresce e cresce, até que a contradição seja insuportável e seu colapso inexorável.

Baseada no sistema representativo liberal, onde o poder econômico exerce uma pressão cada vez maior sobre ele, deixando grande parte do povo sem capacidade de representação, e amparada pela própria concepção do equilíbrio de antagonismos, ideologia cara ao conservantismo nacional, a Nova República é incapaz de promover reformas muito profundas e de resolver o problema da desigualdade e lida com esses problemas, próprios do capitalismo, como uma questão de negociação entre as partes, quando, na verdade, deveria ser uma questão de enfrentamento e imposição.

Outra coisa é o próprio limite do sistema liberal e da democracia representativa. Quando se estabelecem, as instituições democráticas passam a não trabalhar mais pelo povo, mas apenas em prol de si mesmas. Nossos políticos, deste modo, ao invés de se concentrarem em discutir os reais problemas nacionais, muitas vezes limitam-se a aprovar emendas cuja única finalidade é se manterem no poder. As instituições se tornam um fim em si mesmas.

Ela também não consegue equacionar o problema da influência do poder econômico na representação politica. Isso significa que nossos políticos se tornam verdadeiros lobistas cujo objetivo é pagar aqueles que lhes financiaram as campanhas, através da aprovação de emendas para favorecer seus patrocinadores. Na democracia liberal, o politico, em algum momento, se torna um lobista e, o lobista, logo pode se tornar um político. A politica se torna um lobby, uma troca de favor, um mercado onde se compram projetos de leis por financiamentos de campanhas.

Essas contradições acabam por criar um distanciamento entre instituições e sociedade. Oliveira Vianna, em Instituições Politicas Brasileiras, procura compreender aquilo que para ele é o grande problema brasileiro, a distância entre o Brasil Real e o Brasil Legal. O primeiro, para ele, era o Brasil do povo, dos costumes, da cultura e das relações, enquanto o segundo era o país das instituições, das leis, da racionalidade e da legalidade. A grande questão, segundo o autor, era que as duas esferas estavam dissociadas. O Brasil legal, com suas leis, dispositivos e racionalidade não conseguia alcançar o Brasil real, regido por uma lógica completamente diferente. Disso resulta no distanciamento do povo das instituições, da politica e do Estado; nossa população se tornava refém do arbítrio e opressão dos senhores locais.

Vianna

O sociólogo brasileiro Oliveira Vianna (1983-1951).

Se atentarmos para o nosso contexto, veremos que o grande problema posto por Vianna ainda permanece atual. Nossas instituições sempre foram distanciadas da população, não possuem transparência e o acesso a elas é extremamente penoso, quando não humilhante. Isso resulta no nível de corrupção que envolve todos os partidos políticos, serviços públicos extremamente ruins e em políticos que absolutamente não conhecem a realidade brasileira, pois não estão lá para modificá-la…

Um sistema politico como este, que não surgiu de um processo de ruptura, mas de negociações e conciliações, acabou herdando todos os vícios de períodos anteriores. Ele se torna incapaz de reformar a si mesmo, e mesmo sua dimensão reformista é limitada, pois segundo sua lógica, tudo que muda deve permanecer como está…

Quanto mais a população procura se aproximar do Poder, lutando para aumentar sua transparência, mas ele se fecha em si mesmo, como se todas as questões sociais fossem apenas um problema transitório de conciliar interesses — na marcha impiedosa da história, um período histórico nunca pode ver além do que a sua própria natureza lhe permite.

Não a toa que as manifestações de 2013 e a descrença da população cada vez maior em nossas instituições é um sintoma de uma ressaca do nosso arranjo politico. Os problemas políticos e sociais que enfrentamos hoje estão além da sua capacidade de resolvê-los.

A única solução é instituir um novo pacto social, não de um ponto de vista conciliatório e conservador, como tivemos em toda a nossa história, mas um novo arranjo nascido das necessidades e condições dos trabalhadores brasileiros. Estamos caminhando para o momento em que a única saída será o enfrentamento e os trabalhadores e as forças progressistas deverão estar preparadas para fazer frente aos grupos e classes que possuem uma resistência patológica a mudança. Em outras palavras, as forças populares precisam deixar as diferenças de lado e se concentrar no único problema real que aflige o Brasil, a desigualdade e a possibilidade de mudança. Isso se a esquerda quiser fazer-se vitoriosa e não mais uma derrotada no bonde da história.

A decadência da Nova República apresenta uma oportunidade única para isso.

Comentários